Coronavírus

SinproSP se manifesta sobre nota de entidades patronais na coluna de M. Bérgamo

Atualizada em 22/06/2021 17:06

Os presidentes do Sieeesp, Benjamin Ribeiro da Silva, e da Abepar , Arthur Fonseca Filho, foram destaque na coluna de Mônica Bérgamo do sábado, 19 de junho. Eles comemoravam a liberação irrestrita das aulas presenciais a partir de agosto.

Como representantes das professoras e dos professores que lecionam no ensino privado, o SinproSP se viu obrigado a também manifestar-se sobre as medidas anunciadas pelo governo estadual, já que, desde o início da pandemia, tem sido muito difícil fazer os professores serem ouvidos.

E para dar voz à categoria, o presidente do Sindicato, Luiz Antonio Barbagli, enviou carta à jornalista Mônica Bérgamo, posicionando-se contra a liberação desordenada que está sendo proposta. “A partir de agosto, a desregulamentação que já existe será ainda mais aprofundada (...) A cidade de São Paulo tem mais de 4 mil escolas particulares, com as mais diferentes realidades. O Poder Público pode abrir mão de sua responsabilidade, deixando de criar normas sanitárias para serem cumpridas por todos esses estabelecimentos?”, reclamou Barbagli.

“O SinproSP não pode nem deve se calar diante da abertura geral e desregulamentada [e seguirá] exigindo a definição de protocolos verdadeiros, discutido com profissionais da Saúde e com os sindicatos que representam os trabalhadores na Educação privada, bem como o compromisso de uma fiscalização rigorosa para aquelas escolas que se recusarem a cumpri-los”, concluiu o presidente do SinproSP.

Por fim, é difícil não notar  que a emblemática comemoração dos representantes das escolas foi publicada exatamente no dia em que o Brasil chegava à tragédia das 500 mil mortes.