Geral

No TRT, SinproSP pede a suspensão da reestruturação curricular na FMU

Atualizada em 13/07/2017 14:34

Foi realizada no Tribunal Regional do Trabalho, dia 13/07, audiência de conciliação entre o SinproSP e a FMU. O Sindicato ingressou com ação de Dissídio Coletivo de Greve contra as demissões em massa e a reestruturação curricular, que reduzirá a carga horária dos cursos em 25%.

O diretor do SinproSP, professor Celso Napolitano, reclamou que a reestruturação trará impactos graves sobre os alunos e os professores diante do corte linear da grade curricular. A situação foi agravada pela falta de diálogo da Mantenedora, já que o corpo docente e o corpo discente foram avisados da mudança no final de junho.

O advogado do Sindicato, Ricardo Gebrin, informou ao desembargador Carlos Roberto Husek, que a FMU também não está garantindo plano de saúde aos professores demitidos, valendo-se do descumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho.

O SinproSP insistiu na suspensão da reforma curricular e no cancelamento das demissões. As partes devem continuar as conversações até o dia 27/07, quando será realizada nova audiência no TRT.