Ensino superior

SinproSP convoca Assembleia geral no próximo dia 23 na Unisant’Anna

Atualizada em 18/10/2019 16:09

O SinproSP convoca todos os professores do Instituto Santanense de Ensino Superior–Unisant’Anna para reunirem-se em assembleia geral,no dia 23 de outubro de 2019, às 18h(dezoito horas), na R. Voluntários da Pátria nº 257 para tratar de três assuntos: Análise e deliberação sobre os atrasos nos salários; Análise e deliberação sobre o pagamento do Plano de Saúde; Deliberação sobre possível greve conforme Lei 7783/89.

Professores relatam situações constrangedoras ao procurar a unidade de saúde e se deparar com o plano negado por falta de pagamento. O Plano de saúde dos Professores é obrigatório e previsto em cláusula da Convenção Coletiva.: “qualquer problema de saúde que acometer os professores beneficiários do Plano de Assistência Médica que não forem atendidos em razão do suposto inadimplemento deverão ser indenizados integralmente por esta instituição de ensino, sem prejuízo da cobrança da multa normativa”.

A instituição tem um longo histórico de problemas. Entenda:

Infelizmente, os problemas na Unisant’Anna não são novidade pra ninguém. Uma longa crise provocada pela má gestão acabou levando os professores à greve diversas vezes.

Em agosto de 2017, mais uma vez, o corpo docente paralisou as aulas. A greve se estendeu por todo o segundo semestre. Para salvaguardar o direito dos professores, o SinproSP foi à Justiça contra a Unisant’Anna, mas a mantenedora acabou descumprindo até mesmo o acordo que fez na frente do juiz.

Em novembro, a Assembleia Legislativa foi palco de uma acalorada audiência pública. As denúncias contra a Unisant’Anna foram encaminhadas ao MEC pelo deputado Carlos Giannazi (Psol).

No início de 2018, a Unisant’Anna foi vendida e os novos donos propuseram um acordo para pagar a dívida com os professores. Aos poucos, parecia que a situação iria melhorar, mas a trégua durou pouco.

Em dezembro de 2018, o SinproSP convocou a Unisant’Anna para o Foro de Conciliação de Conflitos Coletivos depois de ter recebido denúncia sobre não pagamento de horas extras e do 13º Salário. Em 2019 novas denúncias foram feitas pelas mesmas irregularidades: atrasos de salários, atrasos no pagamento do plano de saúde.

Para o diretor do SinproSP, Fabio Eduardo Zambon, a assembleia deve decidir como o problema será enfrentado. “Sindicato e professores vão discutir a situação e decidir o que deve ser feito daqui pra frente. É difícil, mas o corpo docente da Unisant’Anna conhece melhor do que ninguém por que é preciso manter unidade e compromisso na luta”, conclui Zambon.