17/06/2019 15h58

Férias devem ser pagas 48 horas antes de seu início


Texto atualizado em 24/06/2019, às 13h31min

Depois da enxurrada de provas e trabalhos a corrigir e das centenas de notas pra fechar, pelo menos pra quem leciona em regime bimestral ou semestral, está na hora de começar a contagem regressiva para as férias. Então, agora, é o momento de lembrar de pontos importantes sobre as férias e ficar de olho ao cumprimento de seus direitos.

As férias coletivas das professoras e dos professores estão garantidas nas convenções coletivas da educação básica e do ensino superior. Elas têm duração de 30 dias corridos, em julho, e por isso, não podem ser divididas.

Início e pagamento

As férias não podem ter início nos dois dias que antecedam dias de descanso (por exemplo, se não há aulas aos sábados, é quarta-feira):

CLT Art. 134 - As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só período, nos 12 (doze) meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito. (Redação dada pelo Decreto-lei nº 1.535, de 13.4.1977).

§ 3o - É vedado o início das férias no período de dois dias que antecede feriado ou dia de repouso semanal remunerado. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017).

Já o pagamento, junto com o adicional de 1/3, deve ser feito 48 horas antes de seu início.É uma exigência garantida nas Convenções dos professores e também no artigo 145 da CLT:

CLT Art. 145 - O pagamento da remuneração das férias e, se for o caso, o abono referido no art. 143, serão efetuados até 2 dias antes do início do respectivo período.

Parágrafo único -O empregado dará quitação do pagamento, com indicação do início e do termo das férias.

Pagamento incorreto, pagamento em dobro

Para o Tribunal Superior do Trabalho, o pagamento fora do prazo dá direito ao recebimento em dobro do salário de férias e do adicional de 1/3. É o que prevê a Súmula 450, publicada em maio de 2014:

TST - Súmula Nº 450. FÉRIAS. GOZO NA ÉPOCA PRÓPRIA. PAGAMENTO FORA DO PRAZO. DOBRA DEVIDA. ARTS. 137 E 145 DA CLT (conversão da Orientação Jurisprudencial nº 386 da SBDI-1) É devido o pagamento em dobro da remuneração de férias, incluído o terço constitucional, com base no art. 137 da CLT, quando, ainda que gozadas na época própria, o empregador tenha descumprido o prazo previsto no art. 145 do mesmo diploma legal.

Súmula é uma jurisprudência consolidada que norteia outras decisões judiciais. Por isso, a escola ou IES que pagar as férias fora do prazo legal, está arriscada a ter que pagar tudo em dobro ao professor que ajuizar uma ação na Justiça do Trabalho.




AS FÉRIAS COLETIVAS DOS PROFESSORES EM PERGUNTAS E RESPOSTAS

todas as notícias
|23.09.19 - A inovação pedagógica a serviço da precarização
|20.09.19 - PUC-SP se manifesta sobre os cortes da pós-graduação
|20.09.19 - Última semana da peça "O Fantasma do Imperador"
|20.09.19 - Relator apresenta parecer final e PEC 06 deve ser votada na terça-feira, 24
|16.09.19 - Dissídio Coletivo: professores ainda à espera do julgamento

Atualize seus dados no SinproSP
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store