30/08/2018 17h12

Supremo Tribunal se dobra ao poder econômico


Por 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal liberou a terceirização irrestrita, para todas as atividades, e inovou: tornou-se o primeiro Tribunal a julgar com base não no Direito, mas em concepções pessoais e/ou interesses de alguns ministros.

Foram julgadas duas ações sobre as quais pesavam dúvidas até mesmo sobre a sua legitimidade. Ambas questionavam a constitucionalidade da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho, que proíbe a terceirização nas atividades fim das empresas.

Uma súmula reflete a jurisprudência sobre determinada questão. Não é produto da vontade de um ou alguns poucos juízes. É algo fundamentado no Direito e construído ao longo de anos, em sucessivas ações que acabaram por consolidar um entendimento. Segundo o ministro Marco Aurélio, o entendimento que deu origem à Súmula 331 foi pacificado há mais de 32 anos e alterado algumas vezes, sem ferir os princípios básicos do Direito do Trabalho.

Ao atender aos interesses das empresas, o Supremo Tribunal fez mais do que liberar a terceirização selvagem. Ele desautorizou o Tribunal Superior do Trabalho e abriu um precedente perigoso. Não foi à toa que o ministro Gilmar Mendes, em seu voto (a favor das empresas, é claro) fala, quase em tom de ameaça, da necessidade de mudança na Justiça do Trabalho e no Ministério Público do Trabalho.

Dois fatos chamaram a atenção neste julgamento. Em primeiro lugar, a ausência de fundamentação legal nos votos favoráveis à terceirização. Os ministros optaram por defender a livre iniciativa e a flexibilização das relações de trabalho como requisitos para a retomada do crescimento econômico. Ora, política econômica é atribuição dos Poderes Executivo e Legislativo. O Judiciário deve limitar-se a exigir o cumprimento das leis!

O outro problema foi o imbroglio em que o Supremo acabou se metendo. Os ministros destinaram boa parte do julgamento para decidir o alcance da sentença: se ela deveria valer daqui pra frente ou beneficiaria as empresas que terceirizaram irregularmente antes de 2017, quando houve mudanças na legislação. Isso porque as ações são anteriores a este ano e referem-se, portanto, a contratações que, à época, eram ilegais. Entre as empresas que seriam beneficiadas com a “anistia” está a Cenibra, autora de uma das ações julgadas pelo STF.

O julgamento do STF foi um exemplo de como o poder econômico atua para impor os seus interesses e contamina até mesmo quem deveria ser guardião da Constituição Federal. Mostrou, assim, quem de fato manda no país e controla, a seu modo, todos os Poderes da República.

São Paulo, 30 de agosto de 2018.

Sindicato dos Professores de São Paulo

todas as notícias
|19.10.18 - Demissão a partir de 16/10 garante salário até janeiro de 2018
|18.10.18 - No SinproSP, profa. Ludmila Costhek fala sobre precarização e resistência
|18.10.18 - Assembleia no SinproSP definirá pauta de reivindicações da Campanha Salarial
|17.10.18 - Professores do Senac têm assembleia em 19 de outubro
|14.10.18 - Carta aberta das professores e dos professores para toda a sociedade

Ranking de salários
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store