28/02/2018 18h25

Cláusulas sociais ocupam o centro das negociações


O reajuste salarial ainda precisa ser negociado, mas durante todo o mês de fevereiro os direitos coletivos dominaram todas as rodadas de negociações, tanto no ensino superior como na educação básica.

Na 2a feira, 26, a reunião esteve limitada ao grupo de negociação encarregado de discutir apenas o plano de saúde. A comissão patronal, que na semana anterior havia defendido o fim da obrigatoriedade de assistência médica, agora aceita discutir a cláusula, desde que o benefício fique bem mais restritivo do que é hoje. Uma das possibilidades, imediatamente rejeitada pelos entidades dos trabalhadores, foi excluir os professores aulistas da concessão do plano.

Na 3a feira, 27, a comissão formada pela Fepesp e por sindicatos de professores e auxiliares voltou a se reunir com o Sieeesp e insistiu na renovação de todas as cláusulas sociais pelos próximos dois anos. Para os representantes dos trabalhadores querem que o Sieeesp apresente uma redação mais detalhada da contraproposta. Aqui também não houve discussão sobre cláusulas econômicas.

Leia ainda:

Acompanhe aqui todas as notícias sobre a Campanha Salarial

todas as notícias
|07.12.18 - CNE desmonta disciplinas e aprova base curricular do ensino médio
|05.12.18 - Recesso é um direito conquistado na Convenção Coletiva
|04.12.18 - Veja como foi a rodada de negociação com o Sesi/Senai no dia 04/12
|03.12.18 - Encontro no SinproSP discutiu Campanha Salarial e Escola Sem Partido
|30.11.18 - Nova tabela de mortalidade altera fator previdenciário e achata aposentadoria

Ranking de salários
Logo Twitter Logo SoundCloud Logo YouTube Logo Facebook
Plano de saúde para professores
Cadastre-se e fique por dentro de tudo o que acontece no SINPRO-SP.
 
Sindicato dos Professores de São Paulo
Rua Borges Lagoa, 208, Vila Clementino, São Paulo, SP – CEP 04038-000
Tel.: (11) 5080-5988 - Fax: (11) 5080-5985
Websindical - Sistema de recolhimentos
Baixe o APP na Google Play Baixe o APP na Apple Store